As empresas brasileiras já começaram o ano sentindo os fortes impactos da crise econômica que atinge nosso País. As altas taxas de inflação, a falta de recursos e nossa moeda desvalorizada têm prejudicado bastante todo o mercado. Várias empresas já fecharam as portas e mais de 15 mil pessoas perderam o emprego como consequência, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged)

Muito se fala sobre o que uma empresa deve fazer para driblar as dificuldades que surgem com a crise. As medidas de “aperto aos cintos”, tomadas pelo governo, preocupam empresários de todos os portes e segmentos pelo País e, uma coisa é certa: é preciso estar atento aos ajustes necessários.

As empresas precisam de uma gestão acirrada do seu fluxo de caixa para sobreviver e, por isso, têm que saber muito bem onde investir e onde economizar

Trabalhar em um diagnóstico preciso de seu negócio é um ótimo primeiro passo. Com ele é possível entender onde é necessário investir e onde é importante reduzir investimentos de maneira responsável, mantendo a qualidade do produto ou serviço, sua competitividade no mercado e sim, por que não, aumentar a margem de lucro do seu negócio.

É fato que, a maior parte da arrecadação das empresas é utilizada com as folhas de pagamentos. Em épocas de forte crise como esta que passamos, a tendência de muitas organizações é sair cortando gastos e, na maioria das vezes, demitindo várias pessoas. Mas, fazer isso pensando apenas na conta matemática simples, dos salários que deixarão de serem pagos no fim de cada mês, não é nem de longe a melhor opção.

É fundamental manter a transparência com todos os funcionários e colaboradores. Agir sem especulações, conversar abertamente sobre a situação da empresa e as novas necessidades. Afinal, todos fazem parte do mesmo time e, em épocas de dificuldade, só fica quem está realmente vestindo a camisa da empresa e disposto a jogar dando o melhor de si. Este é o momento de identificar quem realmente faz a diferença e é necessário dentro da organização e investir nesses recursos. É um excelente momento para pensar no treinamento ou na re-educação de sua equipe, tendo em mente que essa ação não necessariamente está associada a investir financeiramente. Em muitos casos podemos investir apenas com energia e tempo.

Acredito, que em momentos como este, algumas mudanças na rotina e na gestão de funcionários poderá fazer grandes diferenças. Como, por exemplo, uma sessão, ou até mesmo um dia, de alinhamento com todas as áreas e equipes. Quando todos estão alinhados com os objetivos da empresa, entendem as razões pelas quais eles foram traçados e conhecem a importância que tem o seu papel na organização, as metas são estatisticamente mais atingidas e aí podemos incluir outro ponto importante da gestão de equipes: comemorar as vitórias alcançadas.

Um aspecto muito importante quando falamos de treinamentos e re-educação é o empresário ter a condição de incluir-se nesse cenário e investir em sua própria capacitação e conhecimento. Quando o empresário traz consigo essa iniciativa não é raro que sua empresa e seus funcionários adotem essa mesma postura.

Para finalizar (ou iniciar), é muito importante contar com profissionais capacitados para apoiar na execução dessas estratégias e indicar as melhores soluções para cada caso. Lembre-se que o cuidado deve ser redobrado em época de instabilidade.

Por ActionCOACH Nobuyochi Nakamura Jr.| Brasil
Voltar