Por ActionCOACH Beatriz Galván / México

Recentemente, observei como uma família de três gerações viveu uma situação muito desconfortável porque a líder (a avó) não era flexível em sua opinião ou na maneira como as atividades familiares poderiam ser realizadas. Tudo “tinha que ser feito”, assim como ela gostava e tudo o mais era idéias ruins. Portanto, um momento que deveria ser “especial” acabou sendo uma tarde muito tensa em que todos estavam de mau humor e ninguém gostava da companhia de sua família.

 

Essa experiência me fez refletir sobre como essa situação acontece nas empresas, tenho observado isso em várias ocasiões nas empresas dos clientes da ActionCoach: famílias de sucesso se comportam como empresas de sucesso.

 

Cada Diretor Geral tem sua época de ouro em que ele ajuda a escalar a empresa e injeta uma energia especial que a torna bem sucedida em seu mandato; no entanto, por melhor que seja um Diretor Geral, se ele permanece em suas funções por tempo mais do que adequado, a empresa começa a sofrer e a diminuir. O Diretor Geral não tem mais a mesma capacidade de adaptação ou a mesma força para iniciar novos projetos. É por isso que os planos de sucessão são tão importantes: o Diretor Geral deve tornar-se membro do Conselho de Administração em conjunto com outros administradores que, com a sua experiência e contactos, ajudam o novo Diretor Geral a continuar com o crescimento da empresa.

 

O mesmo acontece com as famílias, sempre há uma cabeça que leva a sinergia da família, seja avó, avô, tia ou tio … todo mundo tem um período áureo, após o qual a família passa a sofrer por falta de adaptação, abertura e disposição da delegação pelo líder … Na minha opinião, este é o momento em que o líder deve se tornar parte do “Conselho de Família”, definindo, com sua experiência, o caminho que a família deve seguir, mas permitindo que alguém mais ágil e atualizado tome o bastão. Nesse ponto, o “Conselho de Família”, bem como um Conselho de Diretores, pode nomear um novo “Diretor de Família” para ajudar a manter a harmonia da família e crescer com novos projetos.

 

No final da história, não importa se falamos de família ou empresa, tudo é resumido nas relações humanas, o que me lembra uma frase de Simon Sinek: “100% dos clientes são pessoas, 100% dos funcionários são pessoas, que se você não entende as pessoas, então você não entende de negócios “