Por ActionCOACH María Inés Morán / Mexico

Toda crise cria oportunidades, mas nem todo mundo sabe como tirar proveito dela ou se beneficiar dela.

Felizmente, em meio às circunstâncias decorrentes da Covid-19, surgiram vários exemplos de boas práticas, inovação, resiliência e reinvenção. Empresas que sabiam entender o momento, que assumiam riscos e entendiam as mudanças de hábitos e a motivação dos clientes, que investiram para crescer, se reinventam e melhoram, gerando lucros.

Que segmentos saíram na frente durante esta crise? Aqueles que entenderam a necessidade dos usuários: Indústria farmacêutica, plataformas on-line, comércio eletrônico e jogos.

 

Aqui, compartilho com você alguns casos que podem servir como exemplo:

Amazon. O grande vencedor em meio a essa pandemia foi, sem dúvida, o negócio criado por Jeff Bezzos, que sabiamente, no início da pandemia, anunciou que iria investir $ 4 bilhões de dólares para manter sua logística em funcionamento, apesar da crise do coronavírus.

Com base no valor agregado de capital, a Amazon faturou $ 401,1 bilhões de dólares.

A  Amazon, devido à sua configuração e serviços, se tornou o grande provedor dos usuários que se encontravam em confinamento. Usuários com medo e urgência de receber suprimentos vitais em suas casas.

O aumento da demanda por compras on-line levou as ações da Amazon a atingir números recordes.

A Microsoft foi considerada como a segunda empresa classificada pelo Financial Times, em relação ao valor agregado de capital obtido nesse período difícil.

E esses lucros foram obtidos graças à melhoria de sua plataforma de conferências on-line. A Teams que se tornou um dos principais recursos utilizados pelas empresas para manter relacionamentos e comunicação com suas equipes que assumiram a modalidade de home office.

Essa ferramenta é tão valiosa que 75 milhões de pessoas usaram o aplicativo de comunicação de equipes em um único dia em abril, em comparação com 20 milhões no final de 2019.

De acordo com o valor agregado de capital, a Microsoft obteve $ 269,9 bilhões.

Entre outras decisões, a Microsoft mudou-se para a nuvem sob o comando de Satya Nadella, o que permitiu cobrir um número maior de pessoas que trabalham remotamente.

Também permitiu atender às demandas de 90 milhões de jogadores que, no meio do confinamento, recorreram ao serviço de jogos Xbox Live, pertencente a marca.

O Facebook. Essa rede social também se beneficiou durante a pandemia, com resultado do aumento da demanda por entretenimento, do aumento do tempo de interação com essa rede e do aumento das impressões de publicidade durante o primeiro semestre deste ano.

Destaca-se como dados principais, o aumento de impressões de publicidade em 39%. Esse aumento relatou um valor agregado de capital de $ 85,7 bilhões.

Tais ganhos foram alcançados graças aos 2,6 bilhões de usuários que demonstravam urgência por entretenimento.

Uma grande conquista alcançada graças à incorporação de novos recursos, como bate-papo por vídeo e transmissão ao vivo, além de sua incursão no Facebook Shops, uma plataforma de comércio eletrônico para competir com a Amazon.

Zoom de vídeo. Outra grande plataforma de suporte para facilitar o escritório em casa em milhões de residências é o Zoom. Somente em abril, as videoconferências foram realizadas para 300 milhões de participantes por dia.

A preferência por esse recurso de conexão agregou um valor ao seu capital de $ 47,9 bilhões de dólares.

O recurso dos fundos digitais em suas telas é um valor diferenciador. Na maioria dos casos, tornou-se uma ponte de conexão, não apenas para negócios e trabalho, mas também para unir famílias separadas pelo confinamento na quarentena.

Em números, no mês de abril, o número de empresas de médio e grande porte que utilizaram o Zoom triplicou em relação ao ano anterior, e suas receitas aumentaram 169%.

Chugai. Empresa farmacêutica de Tóquio, no Japão, é a unidade japonesa da Roche, com sede na Suíça, também se destacou por seus lucros durante esta pandemia.

Ela relatou um valor agregado de capital de $ 33,9 bilhões de dólares.

É a fabricante do Actemra, um medicamento para artrite reumatóide, que está sendo testado nos EUA e no Japão como um tratamento potencial para pacientes com coronavírus gravemente enfermos.

No entanto, a pandemia não é o único fator que influenciou a recuperação de suas ações. Seus ganhos aumentaram 57% no primeiro trimestre, com o sucesso de vendas da Hemlibra para tratamento de hemofilia. Hoje é o fabricante de medicamentos mais valioso do Japão.

A Home Depot. Nem todas as lojas do setor de varejo foram afetadas pela pandemia, e a Home Depot é a prova disso, relatando um valor agregado ao seu capital de $ 31,5 bilhões.

Sua recuperação se deve ao fato das autoridades americanas terem permitido que essas lojas permanecessem abertas durante a pandemia, devido a seus equipamentos e suprimentos, como aquecedores de água, geladeiras, equipamentos elétricos e hidráulicos, considerados vitais para atender emergências domésticas.

Ela também foi favorecida pelo fato de que, passando mais tempo em suas casas devido ao confinamento, muitos decidiram investir na melhoria de seus ambientes e espaços, o que levou a uma maior demanda por ferramentas.

 

Esses são apenas seis casos das 100 principais empresas destacadas pelo Financial Times, como aquelas que conseguiram prosperar em meio a uma grave crise socioeconômica global.

Sem dúvida, são empresas que obtiveram sucesso devido ao senso de oportunidade, visão, risco, que se reinventaram e souberam entender e se adaptar às mudanças e às novas demandas do mercado. Cada caso representa uma lição valiosa que você pode usar nos seus negócios e pode ser de grande ajuda para ver, por outra perspectiva, uma crise futura.