Por ActionCOACH Tarik Simao / Brasil

Você acha que o ser humano deve acreditar e depois agir? Ou, deve comprovar (cientificamente falando) e depois agir?
O fato é que, certo ou errado, ambas formas de ver a realidade tem implicações distintas e a hipótese aqui apresentada é a de que, se determinadas crenças não existissem na cultura ocidental, não existiriam empresas, tão pouco ciência e muito provavelmente nem mundo ocidental como concebemos! Volto a enfatizar, isso implica dizer que se as pessoas não compartilhassem pensamentos como verdadeiros à priori (definição de crença adotada nesse artigo), o seu smartphone não existiria!!
Mas afinal, de que crença estamos falando?! Antes de descrevê-la, vamos apresentar um contexto que ilustra sua ausência e um outro cenário a que ela pertence .
Imagina que você se encontra em outra realidade, nela você e as pessoas da sociedade já usufruem de profundos conhecimentos sobre lógica, aritmética, geometria, astronomia e música. Também há boas definições sobre as bases de como realizar experimentos e demonstrar empiricamente hipóteses! Parece que vocês já tem tudo o necessário para fazer ciência, não é mesmo?! Outro detalhe também é importante, vocês tem uma mitologia rica e sua religião explica a realidade e seus fenômenos como algo predominantemente à merce da vontade dos deuses. Nesse ponto encontramos o fator predominante para explicar o porquê de vocês não terem ciência (ao contrário do que parecia), vocês tem a crença de que, por exemplo: uma bola sempre cai, desde que nenhum deus queira o contrário! Pronto! A busca pela verdade sobre como o universo funciona e quais são suas leis fundamentais se tornou impossível, pois ninguém imagina que elas possam existir já que os fenômenos naturais são também fenômenos das vontades divinas.
Agora, como sabemos, você e eu vivemos no mundo ocidental que tem em sua mitologia um Deus único que criou o universo embebido de regularidade e propósito, à exemplo do “eterno” ciclo das estações, estrelas e mares. Isso implica, à priori, que os fenômenos da realidade estão sujeitos apenas à padrões imutáveis e perfeitos, ou seja, não existe intervenção da vontade divina, portanto nos resta a bela tarefa de observá-los, entendê-los, descrevê-los e por consequência utilizar esse domínio para nosso próprio benefício. Pronto, agora temos a crença necessária para a busca científica!
Com essa nova tecnologia (a crença na regularidade da realidade) foi possível criar a maior potência social que já existiu na existência humana. Deste ponto, tornou-se viável criar os artefatos de produtividade (máquinas, ferramentas, sistemas…) que tornaria a propriedade de terras não mais o item determinante na geração de riquezas. Nasce então, a figura do empresário como o agente especializado em encontrar maneiras de usar essas novas ferramentas para servir a comunidade da maneira mais sustentável possível!
Portanto, tenha muito cuidado e atenção com suas crenças! Como empresário, você, no mínimo, deve acreditar que é um agente de transformação social na melhor instância do mito do herói, que conquista o desconhecido e compartilha as riquezas com sua comunidade, e que isso só é possível com uma atitude de responsabilidade total e sacrifício em prol do todo e do futuro. Por fim, para que não se torne um tirano com o “novo poder”, deve elevar a verdade como padrão máximo de conduta.