Por ActionCOACH  Luiz Tenaglia / Brasil

A alta performance de um time é o resultado da relação entre as partes, ou seja,

  • Você mesmo como dono, seu autoconhecimento, seus valores, pontos fortes e seus medos
  • Suas conexões… o dono, seus subordinados e seu pares

Em uma equipe de alta performance é fundamental criar um ambiente de confiança, descrito por Amy Edmondson (PhD de Harvard), como Segurança psicológica.

“As pessoas se sentem seguras para compartilharem suas ideias, dúvidas, reclamações, feedbacks e erros, sem medo de serem punidas ou julgadas por isso.”

“Segurança psicológica não é sobre ser legal. É sobre dar feedbacks sinceros, admitir erros abertamente e aprender uns com os outros.”

A ideia de segurança psicológica é fazer com que as pessoas de uma equipe sintam que podem correr riscos interpessoais. São coisas simples como pedir ajuda, propor uma ideia ou reconhecer que não sabe algo. Mas se o ambiente pune demonstrações de vulnerabilidade, você inibe esse comportamento que é importante para o funcionamento de uma boa equipe”.

Em uma pesquisa recente para medir o nível de segurança psicológica de uma equipe o que realmente importava era menos sobre quem está na equipe e mais sobre como a equipe trabalhava em conjunto. Por ordem de importância, esses são os pontos de destaque:

  • Segurança psicológica: percepção de que uma equipe é segura para assumir riscos sem ser vista como ignorante, incompetente. Confiança de que ninguém na equipe irá envergonhar ou punir alguém por admitir um erro, fazer uma pergunta ou oferecer uma nova ideia diferente.
  • Confiabilidade: os membros do time concluem os trabalhos de forma confiável, com qualidade e no prazo.
  • Estrutura e clareza: saber quais são as expectativas no trabalho, as consequências do desempenho de uma pessoa são importantes para a eficácia da equipe. Metas claras e desafiadoras.
  • Significado: ter um senso de propósito no trabalho em si ou no resultado é importante para a eficácia da equipe, mesmo o significado do trabalho sendo pessoal e podendo variar, como por exemplo: segurança financeira, apoio à família, ajuda à equipe ter sucesso ou expressão pessoal de cada indivíduo.
  • Impacto: os resultados do trabalho de uma pessoa, mesmo que num julgamento subjetivo de que está fazendo a diferença e saber que o trabalho de alguém está contribuindo para os objetivos da organização.

Quanto menor a segurança psicológica, maior o medo em arriscar e participar ou até mesmo em executar as tarefas. No sentido contrário, quanto maior a segurança, observa-se mais abertura e inovação, aumentam a participação e colaboração disruptiva, contribuindo para resultados melhores e mais sustentáveis.

Neste processo, é dever do dono possibilitar que as pessoas se sintam incluídas, seguras para aprender e para contribuir e o mais importante, segura para questionar o status quo.

É papel do dono fomentar os 8 componentes da confiança organizacional, a saber:

  1. Reconheça a excelência
  2. Crie desafios
  3. Delegue
  4. Possibilite que o colaborador seja protagonista
  5. Compartilhe informações
  6. Construa relacionamentos
  7. Facilite o crescimento das pessoas
  8. Seja autêntico e vulnerável

Sobre o relacionamento confiança e performance, segundo Paul Zak em “A ciência de construir empresas de alta performance”, pessoas trabalhando em empresas do 4º quartil de confiança são 76% mais engajadas, 50% mais produtivas e consequentemente querem permanecer na organização por mais tempo. Assim sendo, entende-se por alta performance o resultado de confiança + autonomia + alinhamento, ou seja, expectativas claras do por que e o que, resultados esperados e nível de autonomia (decisões individuais e compartilhadas).

A maioria dos membros de equipes de sucesso afirmam que além de ser divertido e gratificante trabalhar com colegas colaborativos, eles são solicitados a contribuir com seu potencial e aprendem muito ao longo do caminho. As principais características das equipes de alto desempenho incluem:

  1. As pessoas têm confiança umas nas outras e no propósito da equipe – elas se sentem livres para expressar sentimentos e ideias;
  2. Todos trabalham sintonizados para alcançar os mesmos objetivos – tem uma mesma visão;
  3. Todos sabem o que é esperado para alcançar as metas individuais e da equipe;
  4. Todos têm a chance de contribuir nas discussões (diversidade e se complementam nas habilidades e conhecimentos);
  5. Os membros da equipe agem a partir de prioridades claramente definidas;
  6. Conflitos são gerenciados. A crítica é construtiva e está orientada para a solução de problemas e remoção de obstáculos;
  7. Os membros mantêm uma comunicação aberta e relacionamentos positivos entre si;
  8. Todos têm papéis e procedimentos de trabalho claramente definidos;
  9. Nenhum membro individual é mais importante do que a equipe.

Para o alto desempenho, as pessoas precisam estar fisicamente energizadas, emocionalmente conectadas, mentalmente concentradas e espiritualmente alinhadas com um objetivo maior do que os interesses pessoais imediatos. Isso resume as 4 dimensões de energias necessárias para equipes de alta performance.

  1. Física: alimentação, a importância da respiração pausada (principalmente em momentos de stress), hidratação e sono.
  2. Emocional: transformar ameaças em desafios, com autoconfiança, empatia, paciência, confiança, alegria e a receptividade.
  3. Mental: otimistas-realistas, ter um pensamento positivo diante dos fatos, mas sem perder o senso de realidade. Fortalecer e expandir os “músculos” mentais: aprender e se desafiar.
  4. Espiritual: conexão com nossos valores mais profundos, bem como ter um propósito que esteja além de nossos interesses meramente individuais.

O papel do dono é:

  1. Não é mais ordenar e controlar, mas servir à equipe para tirar potenciais bloqueios e empoderar os times a serem responsáveis por suas metas.
  2. Liderar com perguntas e não somente com ordens.
  3. Empoderar decisões que o time possa tomar (de acordo com a maturidade de cada um).
  4. Criar condições para sua equipe realizar plenamente sua capacidade, potencial e autonomia.

Segundo Jeffrey Pfeff, “Liderança é influência”, em outras palavras, é a habilidade de alcançar resultados desejados por meio dos outros.