Por ActionCOACH Hernando Santamaría / México

Atualmente, as populações urbanas crescem exponencialmente. As megacidades são cada vez mais numerosas em todo o mundo, o que exige a oportunidade das grandes redes de localizar esses grandes pontos de venda onde “há tudo”.

Você precisa considerar algumas variáveis ​​interessantes. 54% da população mundial vive nos chamados pontos urbanos, cidades com mais de 1 milhão de habitantes. Os 46% restantes vivem nesses municípios menores, que não são o alvo das grandes redes de varejo dos principais segmentos de mercado: consumo de massa, roupas, materiais, ferramentas, utensílios domésticos e até produtos farmacêuticos.

Todas as empresas familiares que não são consideradas corporativas ou multinacionais com grandes investidores e capital são consideradas o Canal Tradicional. Mas a importância desse tipo de negócio representa muito mais do que você pensa.

Apontando algumas estatísticas:

  • No México, eles representam mais de 1,2 milhão de pontos de venda e 50 milhões em todo o mundo.
  • 50% das vendas das grandes marcas como Procter & Gamble são geradas no canal tradicional.
  • Este tipo de negócio representa mais de 60% do PIB do país.
  • Os consumidores de economias de escala não são influenciados pelos mercados on-line, o que significa que o comércio eletrônico não afeta significativamente esses microempresários.
  • O crescimento do CT representa o dobro para muitos segmentos de consumo de massa, comparado às grandes redes de varejo.

Outro ponto importante é o número de transações realizadas pelos clientes da CT x varejo . Aproximadamente 220 visitas são feitas por ano por sua clientela, quatro vezes mais do que os grandes pontos de venda urbanos. Isso significa que, se um fabricante coloca um novo produto no mercado, seus resultados podem ser muito maiores em termos de exposição e margem, por razões óbvias.

O comportamento empírico dos canais tradicionais não deve ser esquecido, pois, além dos dados anteriores, há outra força importante: a fidelidade.

Esse aspecto do relacionamento com clientes frequentes dificilmente pode ser acompanhado pela grande frieza das grandes cadeias.

Se falamos de outros segmentos tradicionais, como os que vendem materiais, lojas de ferragens e lojas especializadas de encanamento, serralheria, etc., eles apresentam outro fator-chave como vantagem competitiva, que é o atendimento personalizado e o conhecimento de seu catálogo. Muitas vezes, os mesmos proprietários atendem seus clientes a partir de seus conhecidos balcões, solucionando essas dúvidas técnicas, diferentemente dos conhecidos home centers com grande rotatividade de funcionários e falta de soluções para seus clientes.

Por esses e outros motivos, aquela loja pequenininha, é a inimiga a ser superada por aquelas grandes marcas tão conhecidas, mas com toda essa carga operacional que as obriga a fazer grandes esforços para ganhar esses pontos cobiçados do mercado.

O futuro tecnológico no comércio formal está presente. Este segmento tem um grande futuro que vale a pena analisar posteriormente.