Economia de recorrência.

Quando Jeremy Rifkin, no ano 2.000 descreveu a economia de recorrência como um novo modelo de negócios em seu livro “A Era do Acesso: a Nova Cultura do Hipercapitalismo”, nos chamou a atenção para um modelo de negócios que sempre existiu mas raramente era percebido e muito menos praticado.

A partir das ideias de Rifkin começaram a brotar, principalmente no Vale do Silício, startups usando o modelo SaaS para quase qualquer tipo de negócio. Com o tempo, vários mercados já existentes e tradicionais foram migrando para o modelo de recorrência.

Praticamente todo e qualquer negócio pode ser transformado, e muitos dos tradicionais que param no tempo, são sucedidos e sucumbem. Quem não mudar vai junto.

Startup da era digital

Tem que ser uma startup da era digital para entrar na economia recorrente? Absolutamente não.

Quando eu era estudante, almoçava todos os dias na casa da Dna. Maria. Ela era viúva, sem pensão do INPS, e esse era o jeito que ela tinha de pagar as suas próprias contas.

Nesse caso tinha contrato é verdade, e era “de boca”.  Conveniente para mim, essencial para ela. O pagamento era mensal e adiantado. A comida, “trivial diário” mas excelente. Durou enquanto era atrativo para mim.

Não vou dizer quando foi isso para não revelar a idade, mas pelo “INPS” acima, já dá prá ver que foi bem antes do ano 2.000. E se até a Dna. Maria, naquela época, sem estudo e sem as ideias do Rifkin, conseguiu botar um “restaurante” na economia de recorrência, você hoje pode botar qualquer negócio nessa economia.

E todo e qualquer negócio, para ter sucesso, tem que ter essa mentalidade. Hoje e desde sempre.

Prá que contrato?

Mas você não precisa fazer contratos anuais, de aluguel, de adesão ou de acesso, para inserir o seu negócio na economia de recorrência. Nem precisa ser uma startup da era digital. Nem precisa ter um software ou um App para usar como isca e alugar aos seus clientes.

Você só tem que montar a estratégia correta e tornar o seu negócio tão útil, tão necessário e tão satisfatório para o seu cliente, que ele voluntaria e automaticamente vai se tornar um cliente recorrente.

Ele vai fazer compras repetidas, diárias, semanais ou mensais, ou seja lá qual for a frequência melhor para ele, sem estar amarrado a contratos ou qualquer coisa do tipo. Vai estar “amarrado” em você, na sua equipe e no seu diferencial.

Porque? Por que isso é bom para ele. Porque VOCÊ fez com que isso fosse bom para ele. Você se tornou tão atraente, útil, necessário e satisfatório que ele volta sempre.

Essa é a verdadeira essência da economia de recorrência, que sempre existiu e é mais antigo do que andar para a frente.

E a obrigação de fazer do seu negócio, um negócio recorrente é sua, não do seu cliente.

A mudança de mentalidade tem que começar em você. Tem que impregnar toda a sua equipe até estar presente em tudo no seu negócio. E o cliente vai junto, expontaneamente.

Os Cinco Caminhos

O modelo dos Cinco Caminhos, criado por Brad Sugars fundador da ActionCOACH, é a metodologia certa e tem a estrutura ideal que você necessita para ser o seu guia nessa mudança fundamental de mentalidade e modelo de negócios. Para você, para sua equipe e para o seu negócio.

Conheça neste post, na voz do próprio Brad Sugars, com legendas em Português, quais são os Cinco Caminhos e o que eles podem fazer pelo sucesso dos seus negócios.

Se precisar de ajuda, para fazer o que você obrigatoriamente vai ter que fazer, conte comigo e não hesite em me contactar pelo WhatsApp +55 (48) 9.8405-1800.